terça-feira, 22 de abril de 2008

UM TRAVESSEIRO PARA A TRAVESSIA






UM TRAVESSEIRO PARA A TRAVESSIA



Os ventos e tempestades no Mar da Galileia são violentos em razão do funil de pedras e montanhas que a Depressão Sírio-Africana gera naquela geografia, fazendo do lago de 22 quilômetros de extensão e 12 de largura um cenário perigoso para qualquer embarcação, mesmo as modernas.

O evangelho de Marcos diz que a tempestade chegou, mas que Jesus dormia na popa do barco num travesseiro.

Eles o acordaram. Acharam que dormindo Ele era menos Ele.

Dormindo na popa do barco sobre um travesseiro?

Que Deus relapso!

Um travesseiro...

Travessa. Travesseiro.

Em português faz sentido se atravessar num travesseiro.

Sim! Nada mais simples: enquanto se faz a travessia se descansa num travesseiro.

Mas eles temeram mais a travessia do que confiaram Naquele que dormia com a cabeça no travesseiro.

Eles não lembraram que a travessia estava tanto sob Seu controle quanto o estava o próprio travesseiro.

Então o acordaram queixosos!

“Não te importa que pereçamos?!”

E falavam como se a travessia pudesse engolir e naufragar Aquele que dormia no travesseiro.

No dia em que uma tempestade, mesmo que cósmica, engolir Aquele que dorme no travesseiro [pois, não dormita e nem dorme O Guarda de Israel], então tudo acabou — até a tempestade!

A tempestade é Dele e para Sua Glória existe e se manifesta!

Ele está em casa na tempestade que Ele mesmo criou. Por isto, dorme durante a travessia no travesseiro.

Mas nós tínhamos de acordá-Lo com nossas queixas de incredulidade disfarçada de auto-piedade.

Ora, como somos impressionáveis, e raramente cremos mais no que não vemos do que nas coisas que vemos, então, sentimo-nos ‘autorizados pela nossa incredulidade’ a acordá-Lo.

Ele acorda. Está divinamente irritado. Por isso, fala ao mar e aos ventos como quem dá um pito num menino travesso. “Quieto! Psiu!” — são as ênfases de majestade do texto grego.

Porém, os meninos travessos eram aqueles dentro do barco, que temiam mais a tempestade do que confiavam em Quem descansava dentro do barco.

Por isso, o hino infantil lembra com solução madura o fato de que “com Cristo no barco tudo vai muito bem”.

A maturidade da fé não acorda a Jesus na travessia quando Ele descansa sobre o travesseiro. Pois, se Ele está dormindo, então é porque está tudo muito bem, mesmo que não pareça assim.

Tenho certeza que anos depois todos eles fariam como Paulo no naufrágio relatado em Atos dos Apóstolos: “Comam. Bebam. Durmam. Descansem. Joguem fora o que pesa. Mas não se aflijam. Pois, o anjo do Deus de quem sou e a quem sirvo, disse-me que nenhum de nós se perderá, mas somente o navio”.

A fé só cresce quando incorpora as lições de ontem ao patrimônio de minha paz no dia de hoje!


Nele, em quem temos o Seu travesseiro para toda travessia,



Caio

14/04/08
Lago Norte
Brasília
DF

http://www.caiofabio.com/novo/caiofabio/pagina_conteudo.asp?CodigoPagina=0389000009